Medidas de infraestrutura têm apoio de 80% da população dos EUA, diz Casa Branca

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir




A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, afirmou nesta segunda-feira que as medidas que tramitam no Congresso dos Estados Unidos propostas pela administração contam com grande apoio popular, com cerca de 80% dos americanos avaliando como positivos os investimentos propostos em infraestrutura. Em coletiva de imprensa, a Psaki afirmou que também há consenso no país o combate às mudanças climáticas.

De acordo com a porta-voz, os objetivos dos planos são um consenso, mas há visões diferentes em temas como as fontes de financiamento dos projetos. Por isso, indicou que o presidente Joe Biden "está engajado em negociações, e conversando com lideranças".

Questionada sobre o fato de um plano com amplo apoio encontrar resistências no Congresso, indicou que às vezes a política de Washington tem divergências com o que a população quer.

Segundo a porta-voz, também há contato com os republicanos sobre a questão do teto da dívida. Questionada sobre os impactos de um eventual shutdown no combate à pandemia, ela ponderou que a maioria dos serviços de saúde estariam excluídos em caso de falta de pagamentos.

Sobre o tema, indicou ainda que a obrigatoriedade de vacinação em empresas está sendo "um sucesso", e que os requerimentos foram responsáveis por importantes avanços na imunização.

Quanto à liberação de dois cidadãos canadenses por parte da China, Psaki afirmou que Washington havia deixado claro que queria que ambos fossem soltos. Por sua vez, indicou que o país não mudou sua política para a potência asiática, e que a mesma segue em um momento de competição.

Sobre eventuais cooperações com Pequim, afirmou que elas poderão ocorrer no que for de interesse mútuo, mas que "vamos continuar a falar do que temos preocupação, como questões econômicas e de direitos humanos".

Notícia



Petrobras questiona governo federal sobre possibilidade de venda de ações

A Petrobras comunicou nesta segunda-feira, 25, que indagou o governo federal, seu acionista controlador, por meio do Ministério da Economia (ME), sobre a existência ou não de estudos sobre possível venda de ações da companhia ou de qualquer outro fato relevante que deva ser divulgado ao mercado, nos termos da Resolução CVM 44/2021...