Trump volta a defender muro e diz que México está pagando por barreira

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Enquanto a paralisação parcial da máquina pública federal dos Estados Unidos tem continuidade, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a defender a construção de uma barreira física na fronteira do país com o México e disse que os mexicanos já estão pagando pelo muro. "Se o Congresso aprovar o USMCA, o México estará pagando pelo muro", afirmou Trump em visita à cidade de McAllen, Texas, que faz fronteira com o território mexicano.

"O muro pode ser de concreto ou de aço. Só quero que ele seja construído. E será. Iremos erguer um poderoso muro de aço na nossa fronteira sul", disse o presidente. Trump também afirmou que a verba que ele deseja para a obra - US$ 5,7 bilhões - não será destinada somente à construção, mas sim a outras ações na fronteira. "Os contrabandistas nem tentariam entrar no nosso país se houvesse uma barreira física. Nosso plano inclui detectar drogas em aeroportos e mais agentes de segurança para defender o nosso país", comentou o republicano.

Como não consegue aprovar o financiamento à construção do muro por meio do Congresso, o presidente cogita declarar emergência nacional para a segurança na fronteira. No entanto, o vice-presidente Mike Pence disse que Trump ainda não tomou uma decisão sobre o assunto, mas acrescentou que "ele fará isso de uma forma ou de outra". Em Washington, Pence disse que pediu aos democratas que negociem o fim da paralisação, que está no 20º dia. Ele disse aos repórteres que é hora do Congresso "fazer o seu trabalho".

Além disso, Pence indicou que Trump tem pouco interesse em um acordo mais amplo de imigração para acabar com a paralisação. De acordo com o vice-presidente americano, Trump está esperando para ver a decisão de tribunais sobre a legalidade do Daca, um programa da era Obama que protege da deportação jovens imigrantes que foram levados aos EUA ilegalmente ainda crianças.

Notícia



Ao lado de Netanyahu, Trump reconhece Colinas do Golan como parte de Israel

Ao lado do primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu nesta segunda-feira, 25 as Colinas do Golan como território israelense, na contramão da política externa americana para a questão nas últimas décadas...