Metrô vai tirar esteiras rolantes da Consolação

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O Metrô de São Paulo decidiu retirar três dos quatro conjuntos de esteiras rolantes da ligação entre as estações Paulista, da Linha 4-Amarela, e Consolação, da Linha 2-Verde, em uma operação que deve interditar parte do túnel no próximo feriado, no dia 15 de novembro.

A previsão é concluir a obra até o feriado seguinte, no dia 20. A medida será por questões de segurança e para dar maior fluidez ao túnel, tido como superlotado desde que a conexão entrou em operação comercial, há seis anos.

Das seis esteiras atuais, quatro serão retiradas, deixando no lugar rampas comuns. As esteiras, localizadas próximas às plataformas da Estação Consolação, traziam muitos usuários para perto dos locais em que os passageiros esperam os trens.

A lotação do túnel foi detectada desde que a operação comercial foi aberta, em 2012. A companhia sempre alegou que o aparente subdimensionamento do túnel era decorrente da falta de novas conexões da rede, em especial a Linha 5-Lilás, que ficou em obras todos esses anos.

Para evitar empurrões, ou mesmo o risco de que alguém caia nos trilhos, o Metrô já vinha adotando uma série de ações preventivas, como a instalação de grades e, nos horários de pico, desligando uma das esteiras, para reduzir a velocidade com que passageiros desembocassem na plataforma.

Agora, sem as esteiras, no túnel comum, as pessoas andarão em um fluxo contínuo (sem precisar sair de uma esteira e entrar na seguinte), o que promete maior fluidez. Além disso, há expectativa de haver mais espaço para as pessoas, por causa da retirada das estruturas.

As medições da empresa apontam que, hoje, gasta-se uma média de 500 segundos (pouco mais de oito minutos) para se cruzar a ligação nos horários de pico. As projeções são de que, com a mudança, será de 300 segundos (cinco minutos).

"Acho esse túnel estreito para a quantidade de gente que passa aqui. Está sempre lotado. E as esteiras estão sempre desligadas", disse a universitária Camila Valverde, de 20 anos, moradora do Butantã, zona oeste de São Paulo, que estuda na região da Paulista. "Se ajudar a diminuir a lotação, pode ser uma boa", afirmou.

"Eu só fico imaginando quanto custou instalar isso. Parece que faltou planejamento. Instalar a esteira para depois retirar", questiona outro usuário, o bancário Rafael Renato Vilares, de 27 anos.

Novos pontos

A decisão de retirar a esteira está relacionada à abertura das novas estações da Linha 5-Lilás, que liga o centro da cidade à zona sul. Essa mudança criou novas estações de conexão entre linhas, dando mais possibilidades de rotas aos usuários.

"Com a entrada em operação das novas estações Santa Cruz e Chácara Klabin, da Linha 5-Lilás, a rede de metrô da cidade ganhou novos pontos de transferência, o que tornou tanto possível quanto necessária a realização da remoção" das esteiras, acrescenta a estatal.

As duas esteiras restantes ficarão na subida, no sentido de quem vem da Estação Paulista, uma em frente da outra. Já o equipamento retirado deve ser reaproveitado, diz a empresa, na Estação Clínicas, da Linha 2-verde. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícia