Navio é resgatado do fundo do mar 4 meses após naufrágio em Santos

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O navio pesqueiro Kaiko Maru 16, com 30 m de comprimento e 190 toneladas de peso, foi retirado do fundo do mar, nesta terça-feira, 9, após naufragar no Porto de Santos, no litoral sul de São Paulo, em junho. O barco de bandeira japonesa, que havia sido abandonado há 15 anos pelos proprietários, afundou no cais do Valongo, área de intensa movimentação de navios no porto. A retirada foi determinada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) por causa dos riscos ambientais.

A Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), que administra o porto, contratou a empresa Atlântico Serviços Submarinos para executar o resgate. O barco foi içado do fundo do canal por meio de um guindaste flutuante. Foram instaladas barreiras de contenção para evitar a dispersão de possíveis substâncias contaminantes que estivessem no interior do navio. A embarcação foi removida para o cais para posterior destinação, segundo a Codesp.

O Kaiko Maru afundou quase simultaneamente ao naufrágio de outro navio, o Taihei Maru 3, que também já foi removido do mar. Na ocasião, houve vazamento de óleo no canal do estuário. Outras duas embarcações naufragadas também foram resgatadas pela Codesp, o batelão Japuí e o Flutuante IV.

Conforme o Ibama, há ainda três barcos que precisam serem içados para a desobstrução do leito do canal e também por questões ambientais. A programação dos novos resgates dependem das condições meteorológicas e do tráfego de embarcações pelo canal. Esses navios foram abandonados no porto após serem tomados pela Justiça como garantia do pagamento de dívidas trabalhistas.

Notícia



Em reunião, ministro Marcos Pontes reconhece benefícios da lei de Informática

Terminou em perfeito clima de cordialidade no fim da tarde desta sexta-feira, 15, uma reunião que, inicialmente, prometia ser tensa entre o ministro Marcos Pontes, da Ciência e Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), e a diretoria da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), que no seu arsenal de controvérsias guardava na manga a argumentação de que o não reconhecimento dos benefícios da Lei de Informática por parte do governo poderia incorrer em judicialização da questão e perda de recursos para investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D)...