Custos da indústria sobem 2,4% no primeiro trimestre, diz CNI

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Os custos da indústria subiram 2,4% no primeiro trimestre do ano em relação aos últimos três meses de 2017, desconsiderando os efeitos sazonais. Esse é o maior crescimento desde o quarto trimestre de 2015. Os dados constam do Indicador de Custos Industriais, divulgado nesta manhã de quinta-feira, 12, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A alta do índice foi determinada pelo aumento de 3,5% do custo tributário e de 3,2% do custo com produtos intermediários. Se comparados com o primeiro trimestre do ano passado, os desembolsos com tributos aumentaram 8,4%. A CNI explica que essa alta representa a retomada do pagamento de tributos pelas companhias. "Muitas empresas estão pagando os impostos atrasados e há também o efeito do programa de refinanciamento das dívidas tributárias", diz o gerente executivo de Pesquisas e Competitividade da entidade, Renato da Fonseca.

Segundo o estudo, os custos do setor só não foram maiores no período porque houve queda em outros dois componentes: o custo com capital de giro, que recuou 3,1%, e o custo com pessoal, com redução de 0,2%. "A trajetória decrescente do custo com capital de giro se iniciou no segundo trimestre de 2016", cita o documento. São oito trimestres consecutivos de queda do indicador, cuja redução, segundo a CNI, é resultado dos sucessivos cortes na taxa básica de juros.

Sobre o custo dos bens intermediários, o estudo mostra que, na comparação com o primeiro trimestre de 2017, a alta foi de 5,8%. Nesse período, os bens intermediários nacionais subiram 5,1% e os importados, 9,7%.

Já o índice de custo com energia aumentou 2,4% no primeiro trimestre em relação ao quarto trimestre de 2017. Se comparada com o primeiro trimestre de 2017, a alta nesse item foi de 7,1%.

Lucro menor


O estudo mostra ainda que a indústria não conseguiu repassar o aumento dos custos para os preços, o que fez a lucratividade do setor diminuir. Enquanto os custos subiram 2,4%, o Índice de Preços de Manufaturados Domésticos (IPA-Indústria de Transformação) subiu 1,6% no primeiro trimestre.

Mesmo com o aperto na margem de lucro, a indústria manteve a competitividade no mercado doméstico no período, avalia a CNI. "Isso porque o aumento dos custos foi similar à alta de 2,3% registrada nos preços em reais dos produtos industriais importados."

Também no mercado externo, pontua a entidade, os produtos brasileiros ganharam competitividade, pois o crescimento dos custos foi menor que o aumento de 4,8% verificado nos preços em reais dos produtos industrializados no mercado dos Estados Unidos, utilizado como indicador dos preços internacionais.

Notícia



Economista diz não ver risco de interferência do novo governo na gestão do BC

A indicação do economista Roberto Campos Neto para a presidência do Banco Central (BC) pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), é uma boa escolha, pois tudo indica que ele é um excelente profissional, avaliou o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno...