Reino Unido defende livre comércio com UE em bens e alimentos

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O governo do Reino Unido publicou nesta quinta-feira o Livro Branco, documento com detalhes sobre seu plano em relação à futura relação econômica com a União Europeia (UE), após saída do bloco (Brexit), pedindo pelo livre comércio no setor de bens e alimentos com o bloco.

O governo da premiê Theresa May espera que a proposta possa dar fôlego ao diálogo sobre o Brexit, menos de nove meses antes da planejada retirada britânica da UE. Há uma disputa no Partido Conservador, de May, sobre o quão próximos devem ser os laços econômicos entre as partes, após a saída em março de 2019.

May agora enfrenta o desafio de garantir o aval do Parlamento ao plano, ainda persuadindo uma UE cética a concordar com o que for negociado antes do fim do prazo.

O Livro Branco propõe uma área ambiciosa de livre-comércio entre o Reino Unido e a UE após o Brexit. O documento sugere novos arranjos institucionais para monitorar a nova parceria e resolver disputas, citando precedentes internacionais como o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês) e a própria associação da UE com a Ucrânia. Segundo o governo de Londres, as propostas permitem que o país consiga novos acordos comerciais.

O documento na prática compromete o Reino Unido a espelhar regulações da UE sobre produtos, a fim de preservar o comércio entre as fronteiras em bens, enquanto busca mais liberdade em serviços, o que Londres admite que inevitavelmente significará menos acesso para as companhias financeiras sediadas no Reino Unido ao mercado da UE. O Reino Unido deseja ainda um arranjo regulatório especial para serviços financeiros. Fonte: Dow Jones Newswires.

Notícia



Bancos apresentam forte ganho e fazem Dow Jones se aproximar de nível recorde

Os mercados acionários americanos encerraram o pregão desta quarta-feira, 19, sem direção única, com o índice Dow Jones próximo de sua marca histórica de fechamento, apoiado por ações de grandes bancos, que subiram fortemente acompanhando o forte avanço nos rendimentos dos títulos públicos dos Estados Unidos...