Investigado no caso Marielle é denunciado por outro assassinato

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O ex-policial militar Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, investigado por suposta ligação com o assassinato da vereadora Marielle Franco, foi denunciado nesta terça-feira, 10, como mandante de outro crime. Segundo o Ministério Público do Rio, ele mandou matar Carlos Alexandre Pereira Maria, o Alexandre Cabeça, assessor informal do vereador Marcello Siciliano (PHS). O parlamentar também foi apontado por uma testemunha como envolvido na morte de Marielle.

Alexandre Cabeça foi morto na noite de 8 de abril, 25 dias após a morte de Marielle, na Estrada do Curumau, na Taquara, zona oeste do Rio. A denúncia que acusa Curicica pelo crime foi apresentada pela 23ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal da 1ª Central de Inquéritos e é baseada em relato feito pelo acusado Ruy Ribeiro Bastos, que confessou o assassinato de Alexandre e fez acordo de delação premiada.

Ele contou que a ordem do assassinato partiu de Curicica, quando ele ainda estava no presídio Bandeira Stampa, em Bangu (zona oeste), antes de ser transferido para a penitenciária federal de Mossoró-RN.

O MP-RJ afirma que Orlando Curicica é líder de uma milícia que atua na região de Curicica, em Jacarepaguá (zona oeste), e autorizou o assassinato de Alexandre, dividindo a condição de mandante com Diogo Maia dos Santos, outro líder da mesma milícia. O motivo seria uma informação veiculada por Alexandre nas redes sociais sobre um homicídio.

O crime teria sido praticado por Bastos, Rondinele de Jesus da Silva e Thiago Bruno Mendonça. Esses três, junto com Santos, já respondem pelo homicídio, em processo que tramita no 2.º Tribunal do Júri do Rio de Janeiro. O Ministério Público quer que o processo contra Orlando Curicica seja enviado para o mesmo juízo.

O MP-RJ afirma que os executores de Alexandre receberam de R$ 500 a R$ 1.250 cada para praticar o crime. Curicica pode responder por homicídio qualificado mediante pagamento, por motivo fútil e com impossibilidade de defesa da vítima, atingida pelos disparos efetuados a pouca distância e contra seu pescoço.

Além de acusar Curicica pelo homicídio, o MP-RJ pede a prisão preventiva do denunciado (atualmente detido na penitenciária federal de Mossoró-RN, por outro crime) e sua condenação ao pagamento de indenização pelos danos materiais e morais causados aos familiares da vítima.

Notícia



Artistas criam 'suvenir' paulistano para quem mora em SP

Uma das memórias mais marcantes da infância da designer Ana Lua Contatore, de 33 anos, é o gradil da janela da sua antiga casa, na Vila Mariana, zona sul de São Paulo...