Eleição da CBF se transforma em disputa jurídica no Rio de Janeiro

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


A eleição na CBF se transformou em uma disputa jurídica. O Juizado do Torcedor do Rio de Janeiro convocou os 40 clubes da primeira e segunda divisão do Brasil a se pronunciarem sobre uma ação iniciada pela promotoria carioca. Nesta terça-feira, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro suspendeu o andamento do processo até que se decida se o juiz que se encarrega do caso tem competência para julgar a ação.

O centro do debate é o processo eleitoral realizado pela CBF e que, em abril, escolheu Rogério Caboclo como presidente a partir de abril de 2019. Uma ação na promotoria avalia se a alteração do estatuto da CBF que deu novos pesos para o voto dos clubes é legal e ainda acusa o processo eleitoral de ter violado princípios como o de dar publicidade suficiente à corrida pelo cargo.

A promotoria, portanto, pediu a anulação da eleição e a destituição da diretoria da CBF. O Juizado do Torcedor no Rio considerou que tem competência para julgar o caso e que a promotoria também teria mandato para ir adiante com o caso.

Na sexta-feira, enquanto o Brasil era eliminado da Copa do Mundo, a Justiça no Rio determinou que "sejam oficiadas as agremiações participantes da primeira e segunda divisões do Campeonato Brasileiro para que, no prazo de 15 dias, manifestem-se sobre o interesse em participar do processo".

A CBF recorreu da decisão, alertando que o juiz não teria incompetência para lidar com o caso e pediu suspensão do processo. Nesta terça-feira, o desembargador Juarez Fernandes Folhes suspendeu a tramitação do processo, até que se decida se o Juizado é competente para lidar com a queixa.

Enquanto o imbróglio ganha uma nova dimensão na Justiça, a CBF insiste que o processo foi legal. Em declarações ao Estado antes de deixar Moscou na segunda-feira, o presidente da entidade, Antônio Nunes, insistiu que o processo foi legal. "Sou presidente de fato e de direito", disse. Ele também indicou que não pretende deixar o cargo até abril de 2019, quando termina seu mandato e quando Caboclo deveria assumir.

Notícia



Presidente diz que Atlético-MG enviou lista no prazo e não teme pena da Conmebol

Pouco depois de o Atlético-MG vencer o Defensor por 2 a 0, na noite de quarta-feira, em Montevidéu, e ficar muito próximo da classificação à fase de grupos da Copa Libertadores, o presidente do clube mineiro, Sérgio Sette Câmara, comentou sobre o fato de o time ter sido citado pela Conmebol como uma das 21 equipes que são alvo de investigação do seu tribunal disciplinar por causa de problemas nas listas de inscritos nas competições chanceladas pela entidade sul-americana...