Grandes papéis em filmografia enxuta

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Dividindo-se entre teatro e TV, sobrou espaço menor na carreira de Fernanda Montenegro para o cinema. Filmografia reduzida, porém com alguns títulos fundamentais e interpretações inesquecíveis.

A começar por sua estreia em A Falecida (1965), de Leon Hirszman, adaptada da peça de Nelson Rodrigues. Ela faz Zulmira, dona de casa suburbana que trai o marido com um homem rico (Paulo Gracindo). Conta-se que Nelson Rodrigues achava a versão um tanto fria por Hirszman ter apostado no subtexto da alienação da personagem, um tema marxista. Mas pode ser apenas implicância de um autor que se autodeclarava "reacionário". O filme é muito bom e a interpretação de Fernanda, genial. Basta lembrar da cena em que ela sai ao quintal sob uma chuva forte, como se esta pudesse lavar seus males de alma.
Outro grande papel é como a dona de casa Elvira, em Tudo Bem (1978), de Arnaldo Jabor, um estudo da classe média em meio ao "milagre econômico" da ditadura militar.

Em Eles Não Usam Black-Tie (1981), também de Hirszman, ela faz Romana, esposa do ativista sindical vivido por Gianfrancesco Guarnieri. Há uma cena de antologia, num momento trágico da trama, quando um militante é morto pela polícia. Romana e seu marido estão na cozinha, conversando em voz baixa, enquanto ela vai separando feijões para fazer a comida. Um gesto do cotidiano, em meio ao luto, para dizer que, afinal, a vida continua.

Mas talvez o grande papel de Fernanda no cinema seja em Central do Brasil (1998), de Walter Salles, vencedor do Urso de Ouro no Festival de Berlim. Fernanda ganhou o Urso de Prata de melhor atriz por sua interpretação de Dora, mulher endurecida que se enternece por um menino perdido em busca do pai (Vinícius de Oliveira). O filme é comovente. Em sua apresentação no Festival do Recife, foi aplaudido de pé, durante vários minutos, por uma plateia emocionada. Enquanto agradecia no palco, Fernanda segurava a mão de Vinícius e, com sabedoria de atriz veterana, lhe dizia: "Aproveite, menino, porque não é sempre assim".

Em O Auto da Compadecida (1999), Fernanda faz uma Nossa Senhora de ar bondoso, justa, e, ao mesmo tempo, irônica. Em Casa de Areia (2005), ela contracena com sua filha Fernanda Torres, no longa dirigido por seu genro, Andrucha Waddington. Fernanda teria outros papéis menores, como em Olga, vivendo Leocádia Prestes, a mãe de Luiz Carlos Prestes, ou em episódio de Viva Esta Canção (Samba do Grande Amor), de Cacá Diegues, ou ainda em Traição, baseado em crônicas de Nelson Rodrigues.

Se tivéssemos de ficar com suas três maiores personagens no cinema, estas seriam a Zulmira de A Falecida, a Romana de Eles Não Usam Black-tie, e Dora, de Central do Brasil. Bastam para dar a dimensão de uma atriz completa, em pleno domínio de sua arte.


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícia