Fim do programa nuclear da Coreia do Norte é prioridade de segurança, diz Pompeo

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, afirmou nesta quarta-feira que o fim do programa nuclear da Coreia do Norte é uma das prioridades de segurança dos Estados Unidos, neste momento. Pompeo foi sabatinado por deputados no Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos Representantes e enfatizou a necessidade de que se consiga o fim completo, verificável e irreversível do programa nuclear norte-coreano. "Um acordo ruim não é uma opção", garantiu.

Pompeo disse que, caso não exista um acordo, os EUA abandonarão o diálogo bilateral. O presidente americano, Donald Trump, tem uma reunião marcada com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, em 12 de junho. Ontem, Trump disse que, caso o encontro não ocorra nessa data, poderia ficar para depois.

O secretário dos EUA comentou também que o governo pretende responder de maneira "recíproca" à Venezuela, após o país sul-americano expulsar um diplomata americano, diante da condenação do governo de Trump à eleição do último domingo na qual Nicolás Maduro foi reeleito presidente. Os EUA denunciam o processo eleitoral como uma fraude.

Ainda segundo Pompeo, os EUA "não aceitarão" interferência da Rússia na eleição legislativa deste ano. Na eleição vencida por Trump, ainda é investigada a suspeita de que Moscou teria atuado para influenciar negativamente a campanha da rival do republicano, a democrata Hillary Clinton, ex-secretária de Estado.

Pompeo foi também questionado sobre um episódio de um possível ataque auditivo contra um funcionário do governo americano na China. Ele disse que está sendo informado sobre o episódio, similar a um caso anterior ocorrido em Cuba, e que o governo chinês prometeu colaborar na investigação.

Notícia



Trump diz autorizar equipe da Casa Branca a cooperar com investigação de Mueller

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou neste sábado ter autorizado todos os membros da equipe da Casa Branca cujos depoimentos foram solicitados pelo conselheiro especial Robert Mueller a "cooperar integralmente" com a investigação, que apura suposto conluio da campanha vencedora na eleição de 2016 com a Rússia...