Febre amarela: Morte de macacos põe em risco de reincidência região norte de SP

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


A confirmação da febre amarela como causa da morte de três macacos em Tambaú, na região metropolitana de Ribeirão Preto, preocupa a Vigilância Epidemiológica Estadual por indicar a circulação do vírus em uma região onde a doença já foi controlada. Os primatas foram achados mortos no mês de março, na zona rural, e laudos do Instituto Adolfo Lutz divulgados nesta sexta-feira, 13, confirmaram a doença.

Desde julho do ano passado, a região não registra casos de febre amarela. Em Ribeirão Preto, o último óbito pela doença aconteceu em janeiro de 2017. A Secretaria da Saúde afirma que mais de 90% da população estão imunizados.

Conforme o Grupo de Vigilância Epidemiológica, no período de julho de 2017 até o momento, os 429 casos autóctones - quando a pessoa se contamina no local onde vive - aconteceram na capital e em municípios das regiões da Grande São Paulo, Campinas, Sorocaba, Baixada Santista, Registro, São João da Boa Vista, São José dos Campos, Taubaté e Caraguatatuba. Do total de casos, 161 evoluíram para óbito.

Na região norte, na qual se insere Tambaú, a febre amarela incidiu fortemente no ano de 2016, até o início de 2017. No último dia 23 de março, no entanto, a Secretaria de Saúde de São José do Rio Preto confirmou a doença em dois saguis mortos. A cidade reforçou a vacinação. Já a prefeitura de Tambaú informou ter ampliado a vacinação na cidade. Municípios vizinhos, como Mococa e Santa Rita do Passa Quatro, também entraram em alerta.

Notícia



Artista detido em operação contra milícia tem prisão revogada

Doze dias após ser preso junto com outras 158 pessoas sob acusação de integrar uma milícia, o artista de circo Pablo Dias Bessa Martins, de 23 anos, obteve nesta quinta-feira, 19, da Justiça do Rio de Janeiro a revogação de sua prisão preventiva...