Alemanha: Merkel afirma que Ministro das Finanças "não pode fazer o que quiser"

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


A chanceler alemã, Angela Merkel, disse neste domingo que seus correligionários conservadores continuarão a moldar as políticas orçamentárias e de gastos em nível europeu, mesmo após a saída do partido do Ministério das Finanças.

"O ministro das Finanças não pode simplesmente fazer o que quiser", disse Merkel em entrevista à emissora pública alemã ZDF. Ela disse que o país continuará a ter um orçamento equilibrado e seguir as mesmas políticas a nível europeu.

Alguns membros da União Democrata-Cristã (CDU, na sigla em alemão), partido de Merkel, demonstram preocupações com a nomeação do Ministro da Finanças pelo Partido Social-Democrata (SPD), a Alemanha se afastasse de suas políticas orçamentárias mais austeras, tanto no âmbito doméstico quanto europeu. "É claro que fechamos acordos em relação a essas políticas", acrescentou Merkel, referindo-se à coalizão para formação de governo fechada na última quarta-feira (07).

A coalizão prevê que os democratas-cristãos controlarão os ministérios da Economia e de Energia, além de alguns ministérios secundários. Seus aliados conservadores da Bavária controlarão o ministério do Interior. O SPD continuará a controlar os ministérios Estrangeiro e da Justiça, juntamente com o Ministério das Finanças.

Ela disse que negociar o ministério das Finanças foi "doloroso", mas acrescentou: "Qual era a alternativa? ... Temos que aproveitar as chances apresentadas nos ministérios que são nossos para ocupar".

Perguntada sobre a recente agitação dentro do SPD, Merkel disse que Martin Schulz, o presidente dos social-democratas que na sexta-feira declarou que não participará do governo, estava passando por "tempos difíceis", e que deseja o melhor para ele. Fonte: Dow Jones Newswires.

Notícia



Maduro agradece Rússia, China, Turquia e Opep por reconhecer reeleição

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, usou o Twitter nesta segunda-feira para agradecer aos líderes de Rússia, China, Turquia e Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) por reconhecerem a reeleição dele para um novo mandato de seis anos...