A moda dos blocos

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


A febre dos blocos de carnaval, que têm tomado as capitais do País, fez surgir o fenômeno das "semi-fantasias". Entre as tendências estão o body e o maiô, que viraram espécie de uniforme entre as mulheres. As mais ousadas o vestem sem roupas complementares na parte de baixo. "Enxergamos uma mudança de comportamento muito grande nesta geração, que resgatou a tradição do carnaval de rua. É notório o aumento de blocos em todo o Brasil", diz Andrea Morales, diretora de produto da marca de roupa íntima Loungerie, que aproveitou o ensejo para criar sua primeira linha especializada.

De acordo com o Pinterest, plataforma virtual de referências visuais, as buscas pela palavra 'carnaval' aumentaram significativamente desde 2 de janeiro, mais de um mês antes do feriado - o termo mais buscado foi 'fantasia de carnaval', seguido de 'maquiagem de carnaval' -, e a quantidade de imagens relacionadas à data salva na rede pelos brasileiros aumentou em 1.100% em comparação com o ano passado. São Paulo se destaca como a cidade que mais buscou sobre esse conteúdo, aumentando a procura em 60%.

O crescimento pode ser atribuído à popularização dos blocos de rua nos últimos anos. Na cidade de São Paulo, por exemplo, a Prefeitura estima que sejam mais de 550 - 100 a mais do que no ano passado e 69% a mais do que em 2015 -, e, em Belo Horizonte, 120 blocos novos representam um aumento de 20% no ano.

De acordo com a C&A, o ano de 2017 foi especialmente focado em fantasias, mas, neste, a aposta foi em produtos mais versáteis, que vão de roupas a adereços de cabeça e pochetes - esta, aliás, uma grande tendência para a folia neste ano, junto com as casquetes. Entre as alegorias urbanas que desfilam pelas ruas, as mais populares remetem às figuras de sereia, unicórnio e estrelas.

As marcas independentes também ganham força, atraindo quem busca peças originais. É o caso da Dercy, que homenageia a humorista Dercy Gonçalves. "Não por acaso, a figura da Dercy Gonçalves é nossa principal inspiração. Símbolo de autenticidade, sempre à frente do seu tempo, Dercy tinha essa atitude debochada e personalidade transgressora', diz Alice Correa, sócia-proprietária da marca. Outro exemplo é a carioca Garimppo, que lançou neste ano sua segunda coleção de carnaval. "Nosso mês de janeiro foi tão bom quanto o de dezembro, que é sempre o melhor em vendas, graças à coleção de carnaval', diz Laryssa Camargo, gerente de marketing da etiqueta. O sucesso se repete na FARM, marca que propaga o estilo de vida carioca como seu DNA.

"O carnaval faz parte da nossa história. Fomos a primeira marca a ter uma coleção exclusiva de carnaval, e, todo ano, a ampliamos para fazê-la chegar em novas cidades. A demanda nos surpreende sempre', diz Taciana Abreu, gerente de marketing da grife, pontuando em 35% o aumento da linha em 2018.

Os looks de carnaval também vêm adquirindo um tom social. No carnaval, a rua se tornou espaço para protestos por meio de roupas, acessórios e até tatuagens temporárias. A marca independente Negoçada, por exemplo, incorpora o protesto colocando úteros bordados em seus bodies, além de patches com os dizeres "poder feminino'. No mesmo nicho, a PALA e a Kengá Bitchwear apostam em brincos com desenhos de símbolos do feminino e palavras de ordem.


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícia



Sofri preconceito por namorar Claudia Jimenez, diz Rodrigo Phavanello

O ator e ex-Dominó Rodrigo Phavanello relembrou seu relacionamento com a atriz Claudia Jimenez, com quem contracenou na novela Sete Pecados, em 2007, em entrevista ao canal de Antonia Fontenelle no YouTube...