Protesto contra tarifa do transporte percorre ruas do centro de SP

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Escoltados pela Polícia Militar, cerca de mil manifestantes fazem na noite desta quinta-feira, 11, o primeiro protesto do ano contra o aumento da tarifa de ônibus, trem e metrô em São Paulo, reajustada para R$ 4 no último domingo, 7. Organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL), o ato partiu da Praça Ramos de Azevedo, no Anhangabaú, e segue em direção ao Brás, também na região central da cidade.

A manifestação reúne, em sua maior parte, estudantes secundaristas e universitários e teve início por volta das 18h em frente ao Theatro Municipal. Por causa do protesto, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) interditou algumas ruas do centro, como o Viaduto do Chá e a Rua Xavier de Toledo. A Guarda Civil Metropolitana (GCM) foi acionada para proteger o prédio do Theatro e o prédio da Prefeitura, que fica próximo ao ponto de encontro, foi fechado e teve o policiamento reforçado.

Com tambores e gritos ensaiados, os manifestantes criticam o prefeito da capital, João Doria, e o governador Geraldo Alckmin, ambos do PSDB. No último domingo, os dois reajustaram de forma conjunta o preço da tarifa de ônibus, trem e metrô na capital em 5,26%, o que elevou o valor da passagem de R$ 3,80 para R$ 4. Eles afirmam que Doria não cumpriu a promessa de congelar a tarifa do ônibus por quatro anos e reclamam da restrição de viagens no passe-livre estudantil.

"Querem nos fazer pagar ainda mais caro pelo que nem deveríamos pagar e não é possível aceitar pacificamente a existência de um outro aumento", afirma o MPL em sua página no Facebook. Segundo os organizadores, outras 15 cidades de seis Estados, como Goiás, Pernambuco e Rio de Janeiro, também terão protestos contra o aumento nas tarifas a partir desta semana.

Segundo o comandante da operação policial, major José Luiz Gonçalves, do 7º Batalhão da PM, 400 policiais foram destacados para acompanhar o protesto, que reúne manifestantes mascarados. Os organizadores do MPL afirmam que oito mil pessoas participam do ato contra o aumento da tarifa.

Em 2017, o valor unitário do ônibus, metrô e trem ficou congelado em R$ 3,80, após promessa de campanha feita por Doria. Em compensação, o valor da tarifa integrada entre ônibus e trilhos (metrô ou trem) teve reajuste de 14,8%, chegando a R$ 6,80. A medida, que chegou a ser suspensa por três meses pela Justiça, motivou uma série de protestos na capital, que não surtiram efeito.

O MPL foi criado em 2005 com a bandeira da "tarifa zero", defendendo gratuidade total do transporte coletivo. O movimento, porém, só ganhou expressão em 2013, quando organizou os atos contra o aumento de R$ 0,20 no valor da tarifa em São Paulo (de R$ 3 para R$ 3,20 na ocasião), que acabaram se espalhando por todo o País depois da aumento da repressão policial.

Notícia



Incêndio atinge indústria farmacêutica em Hortolândia

Um incêndio de grandes proporções atingia as instalações da indústria de medicamentos EMS, na tarde deste sábado, 20, em Hortolândia, no interior de São Paulo...