Em nota ao MPF, Caixa rejeita recomendação de troca dos vice-presidentes

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


A Caixa Econômica Federal encaminhou documento ao Ministério Público Federal (MPF) em que reafirma a manutenção dos vice-presidentes da instituição nos cargos. Em dezembro, o MPF havia recomendado a troca de todos os seus vice-presidentes do banco e que contratasse novos por "processos seletivos impessoais".

Em nota enviada à imprensa, o banco estatal informa que encaminhou respostas ao MPF nesta segunda-feira, 8. Segundo o banco, prevalece o entendimento de "que o novo estatuto do banco disciplinará as futuras indicações e nomeações de vice-presidentes, não cabendo sua aplicação aos atuais ocupantes de modo a impor suas substituições". Um dos argumentos da Caixa é que inexiste essa regra na Lei das Estatais.

O banco cita que os atuais vice-presidentes "tiveram seus nomes aprovados pelo Conselho de Administração do banco que os encaminhou ao Ministério da Fazenda que, por sua vez, fez a respectiva indicação ao presidente da República, conforme prevê o atual estatuto, inexistindo fato concreto que reforce a necessidade de substituição dos atuais vice-presidentes". "A Caixa informa que o seu Conselho de Administração também pronunciou-se a favor da manutenção dos atuais vice-presidentes", reforça a nota.

Ao Ministério Público, o banco defende que a casa "tem um sistema de governança adequado à Lei das Estatais, fazendo com que a maior parte das recomendações já esteja implementada, em implementação ou em processo de estudo pelas suas instâncias decisórias, antes mesmo de qualquer manifestação do MPF".

Notícia



EUA podem aprovar lei que endurece controle sobre investimento estrangeiro

Negociadores do Senado e da Câmara de Representantes dos Estados Unidos chegaram a um acerto em torno do texto final de uma proposta para fortalecer tanto o Comitê para Investimento Estrangeiro nos EUA (CFIUS, na sigla inglês), um órgão composto por várias agências do governo americano, quanto o sistema de controle de exportações a ponto de bloquear transações envolvendo empresas da China e de outros países que pudessem ameaçar a segurança nacional americana, disse o senador republicano John Cornyn...