Em mensagem a Trump, Putin diz que Rússia deseja manter diálogo com EUA

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou neste sábado que o país deseja manter o diálogo estratégico construtivo com os Estados Unidos. Em mensagem de fim de ano destinada a Donald Trump, o líder russo disse que os dois países podem encontrar juntos "as melhores soluções para os desafios e ameaças globais".

O presidente russo sublinhou ainda a Trump a importância dos princípios de igualdade e respeito mútuo "como base para o desenvolvimento das relações bilaterais".

"Isso nos permitiria fazer progressos na promoção de uma cooperação pragmática projetada para o longo prazo", escreveu Putin.

No começo de dezembro, em ligação telefônica, os dois líderes trocaram elogios e falaram da situação da Coreia do Norte e da Síria.

A aproximação entre eles é criticada na opinião pública americana, que enxerga Putin como uma ameaça a soberania dos Estados Unidos.

Desde meados do ano, uma comissão independente conduzida pelo conselheiro especial e ex-diretor do FBI Robert S. Mueller investiga se Trump sabia que assessores dele obtiveram informações sigilosas com hackers russos durante a campanha presidencial de 2016.

O presidente americano nega qualquer tipo de "conluio" com a Rússia.

Síria

Putin disse também que o país continuará com o compromisso de ajudar a Síria "a defender sua soberania e unidade territorial". "Desejo que em 2018 a situação da Síria continue a mudar para melhor", escreveu Putin no texto enviado ao presidente sírio, Bashar Assad.

Putin e Assad são aliados de longa data. A proximidade entre os líderes é criticada no Ocidente, que identifica o presidente sírio como um dos principais responsáveis pela guerra civil que o país enfrenta desde 2011. As forças armadas da Rússia, inclusive, apoiam o exército da Síria contra os rebeldes.

Notícia



May ameaça com novo referendo se não houver acordo para Brexit

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, admitiu nesta segunda-feira, 15, pela primeira vez, que um eventual fracasso nas negociações para o Brexit, o divórcio do país com a União Europeia, pode levar a um segundo referendo sobre o tema, se houver tempo hábil para sua realização...