Em mensagem a Trump, Putin diz que Rússia deseja manter diálogo com EUA

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou neste sábado que o país deseja manter o diálogo estratégico construtivo com os Estados Unidos. Em mensagem de fim de ano destinada a Donald Trump, o líder russo disse que os dois países podem encontrar juntos "as melhores soluções para os desafios e ameaças globais".

O presidente russo sublinhou ainda a Trump a importância dos princípios de igualdade e respeito mútuo "como base para o desenvolvimento das relações bilaterais".

"Isso nos permitiria fazer progressos na promoção de uma cooperação pragmática projetada para o longo prazo", escreveu Putin.

No começo de dezembro, em ligação telefônica, os dois líderes trocaram elogios e falaram da situação da Coreia do Norte e da Síria.

A aproximação entre eles é criticada na opinião pública americana, que enxerga Putin como uma ameaça a soberania dos Estados Unidos.

Desde meados do ano, uma comissão independente conduzida pelo conselheiro especial e ex-diretor do FBI Robert S. Mueller investiga se Trump sabia que assessores dele obtiveram informações sigilosas com hackers russos durante a campanha presidencial de 2016.

O presidente americano nega qualquer tipo de "conluio" com a Rússia.

Síria

Putin disse também que o país continuará com o compromisso de ajudar a Síria "a defender sua soberania e unidade territorial". "Desejo que em 2018 a situação da Síria continue a mudar para melhor", escreveu Putin no texto enviado ao presidente sírio, Bashar Assad.

Putin e Assad são aliados de longa data. A proximidade entre os líderes é criticada no Ocidente, que identifica o presidente sírio como um dos principais responsáveis pela guerra civil que o país enfrenta desde 2011. As forças armadas da Rússia, inclusive, apoiam o exército da Síria contra os rebeldes.

Notícia



Coreias do Norte e do Sul têm linha telefônica direta pela 1ª vez entre líderes

As Coreias do Norte e do Sul estabeleceram pela primeira vez uma linha telefônica direta entre seus líderes, uma medida que visa construir confiança uma semana antes de os presidentes dos dois países se reunirem na zona desmilitarizada na fronteira das duas nações...