Bolsas de NY fecham mistas, após Fed manter juros e com Delta e balanços no radar

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir




As bolsas de Nova York fecharam mistas, nesta quarta-feira, 28. Os acionistas estiveram atentos à decisão monetária do Federal Reserve (Fed, banco central americano), divulgada nesta tarde, e à entrevista coletiva do presidente do banco, Jerome Powell, em seguida. A variante delta do coronavírus continua no radar dos mercados, devido à preocupação com o impacto na retomada da economia. Neste pregão, investidores ainda ajustaram suas posições diante dos resultados trimestrais de grandes empresas, como Alphabet e Microsoft.

O Dow Jones fechou em queda de 0,36%, aos 34.930,93 pontos, e o S&P500 teve queda de 0,02%, aos 4.400,64 pontos. Já o Nasdaq avançou 0,70%, aos 14.762,58 pontos.

Os principais índices acionários de Nova York tiveram reação tímida à decisão do Fed de manter a política monetária acomodatícia, como esperado. No entanto, ganharam fôlego após Powell dizer, em coletiva à imprensa, que o banco central não está "nem próximo" de considerar a elevação da taxa de juros dos Fed Funds - atualmente entre 0% e 0,25%.

A variante delta do coronavírus continua a proporcionar um sentimento de cautela generalizado no mercado. Na visão do JPMorgan, no entanto, o Reino Unido pode servir como exemplo de que a alta taxa de disseminação do vírus não representa uma elevada mortalidade. "Apesar do número de casos próximo aos níveis de pico, a mortalidade está 95% abaixo do ápice em janeiro. Isso deveria dar aos investidores confiança de que a delta não é uma séria ameaça ao crescimento global", dizem os analistas.

"Acreditamos que setores ligados à reabertura, como consumo discricionário, bancos e energia, são compras fortes no níveis atuais, enquanto aqueles ligados ao crescimento já são crescentemente vulneráveis à normalização dos rendimentos nos baixos níveis atuais e à realização de lucros", afirmam. Os economistas do JPMorgan dizem, ainda, que o progresso da vacinação e o fato de agentes econômicos estarem mais acostumados às restrições de mobilidade devem garantir que o impacto causado pela onda da cepa delta seja inferior ao da alfa, visto no último inverno do Hemisfério Norte.

Os balanços divulgados entre o fim do pregão de ontem e hoje também foram monitorados pelos acionistas. Os papéis da Boeing fecharam com alta de 4,18%, depois de ultrapassarem os 6% no intraday, após ela informar lucro de US$ 587 bilhões no último trimestre, contrariando a expectativa de prejuízo feita por analistas. As ações da Alphabet e Pfizer subiram 3,18% e 3,21%, respectivamente. Enquanto as da Microsoft (-0,11%), Visa (-1,59%) e McDonald's (-1,86%) registraram queda.

Notícia



Trajetória da economia continua dependendo do curso do coronavírus, dirá Powell

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, afirmará na terça-feira, 28, no Senado dos Estados Unidos que a trajetória da economia do país continua dependente do curso do coronavírus...