Highline desiste de fazer proposta para comprar Oi

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir




A Highline do Brasil, controlada pela norte-americana Digital Colony, desistiu de fazer uma nova oferta pelos ativos de telefonia móvel da Oi, apurou o Estadão/Broadcast. Isso ocorre após as operadoras TIM, Vivo e Claro terem dado mais um passo na disputa, com a oferta de R$ 16,5 bilhões no início da semana. Agora, as teles seguem na negociação exclusiva, segundo fonte próxima ao assunto.

A Highline tinha até segunda-feira passada, dia 27, para fazer uma nova oferta pelos ativos, depois da empreitada das operadoras. Agora sem um novo nome no radar, a expectativa é de que as teles fiquem com os ativos, para depois fatiarem entre elas.

O trio já tinha feito uma oferta, mas não informou o valor da proposta ao mercado. Já a Highline chegou surpreendentemente à disputa, colocando um valor acima dos R$ 15 bilhões, lance apontado como mínimo pela própria Oi.

Na nova oferta divulgada esta semana, as operadoras afirmaram que o valor estava em linha com a regulação e, ainda, endereçava "as necessidades financeiras do Grupo Oi, de amplo conhecimento do mercado em geral, para que este possa implementar seu plano estratégico e atender seus credores".

As teles fizeram questão de ressaltar este ponto porque, conforme noticiou a Coluna do Broadcast, os credores da Oi, em recuperação judicial, estavam reticentes com a oferta agressiva da Highline do Brasil. Havia preocupação quanto à capacidade de pagamento do valor, já que a companhia teria de buscar dinheiro no mercado.

Procurada, a Oi e a Highline não retornaram o contato da reportagem até o fechamento desta edição.

Ontem, após a divulgação da saída da americana Highline e da exclusividade das três teles pelo negócio, as ações ordinárias da TIM os papéis da teles Telefônica Vivo e TIM fecharam com forte alta: 6,42% e 2,97%, respectivamente. Já os papéis da operadora Oi tiveram queda de 6,58%.


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícia



Ganho acumulado pela indústria de SP em maio e junho foi de 20,0%, diz IBGE

A indústria de São Paulo, maior parque fabril do País, acumulou um avanço de 20% na produção nos meses de maio e junho, mas ainda não conseguiu resgatar as perdas de 29,4% registradas de fevereiro a abril...