UE prevê que PIB sofrerá queda de 8,7% com duração maior de 'lockdowns'

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir




A contração econômica da zona do euro será mais profunda do que se imaginava este ano, uma vez que as medidas de "lockdown" tomadas para conter a disseminação do coronavírus estão sendo revertidas em ritmo mais gradual do que o previsto, segundo avaliação da Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia.

No último de quatro relatórios publicados anualmente, a Comissão previu nesta terça-feira que o Produto Interno Bruto (PIB)dos 19 países que formam a zona do euro sofrerá um tombo de 8,7% em 2020, maior do que a queda de 7,7% estimada três meses atrás.

No documento, a Comissão destacou as crescentes divergências entre os países da zona do euro e recomendou esforços conjuntos para limitar o impacto na região como um todo.

No caso da Itália, por exemplo, a previsão de retração do PIB este ano foi de 9,5% para 11,2%. Já para a Alemanha, a Comissão melhorou sua projeção de 2020 ligeiramente, de queda de 6,5% para redução de 6,3%.

Já para 2021, a Comissão prevê recuperação mais contida da zona do euro, com avanço de 6,1% do PIB. Anteriormente, sua projeção era de alta de 6,3%.

Notícia



Família esclarece que casa de Ghosn em Beirute foi danificada, e não destruída

O imóvel em que vive o executivo brasileiro Carlos Ghosn, ex-presidente da aliança Renault-Nissan, que se refugiou em Beirute no fim de 2019 depois de fugir da Justiça japonesa, não foi destruído, conforme havia declarado ao <b>Estadão</b> sua esposa, Carole Ghosn, na última terça-feira, 5...