Indicador Antecedente de Emprego da FGV sobe 14 pontos em junho ante maio

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir




O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) subiu 14 pontos na passagem de maio para abril, para 56,7 pontos, informou nesta terça-feira, 7, a Fundação Getulio Vargas (FGV), mas a alta foi insuficiente para recuperar as perdas recentes, provocadas pela crise da covid-19. A elevação acumula em maio e junho recuperou apenas 33% das perdas registradas em março e abril.

Em médias móveis trimestrais, o IAEmp recuou 8,6 pontos, para 46,4 pontos, mínimo da série histórica iniciada em 2008, segundo a FGV. Além disso, mesmo com o crescimento nas duas últimas leituras, o nível do IAEmp de junho é o terceiro menor da série histórica.

"A melhora do indicador sugere uma diminuição do pessimismo sobre o mercado de trabalho nos próximos meses, e que o pior momento parece ter ficado para trás. Contudo, a alta incerteza sobre o controle da pandemia e sobre o formato dessa recuperação econômica ainda são fatores que causam preocupação e podem limitar a continuidade do movimento de recuperação dos empregos", diz a nota divulgada pela FGV.

Por sua vez, o Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) caiu 2,2 pontos em junho ante maio, para 97,4 pontos, primeira alta após avançar 7,7 pontos no acumulado de março a maio. Em médias móveis trimestrais, houve aumento de 1,7 pontos para 98,5 pontos.

"Mesmo com o resultado positivo em junho, o indicador se mantém em patamar elevado sugerindo que ainda não é possível imaginar um cenário de melhora na taxa de desemprego no curto prazo", diz a nota da FGV.

O ICD é um indicador com sinal semelhante ao da taxa de desemprego, ou seja, quanto maior o número, pior o resultado. Já o IAEmp sugere expectativa de geração de vagas adiante, e quanto menor seu patamar, menos satisfatório é o resultado.

O ICD é construído a partir dos dados desagregados, em quatro classes de renda familiar, da pergunta da Sondagem do Consumidor que procura captar a percepção sobre a situação presente do mercado de trabalho. O IAEmp é formado por uma combinação de séries extraídas das Sondagens da Indústria, de Serviços e do Consumidor, todas apuradas pela FGV. O objetivo dos dois indicadores é antecipar os rumos do mercado de trabalho no País.

Em junho, todos os sete componentes do IAEmp subiram em, após chegarem ao fundo do poço em abril e acomodarem em maio, informou a FGV. Os indicadores subiram acima dos 17 pontos, com Emprego Previsto e Situação Atual dos Negócios na Indústria variando 24,2 e 20,7 pontos, na margem, respectivamente.

Já a queda do ICD foi influenciada por todas as quatro classes de renda familiar pesquisadas na Sondagem do Consumidor. A maior contribuição para o resultado foi dada pela classe familiar com renda entre R$ 2.100.00 e R$ 4.800.00 e pela classe até R$ 2.100. nessas faixas, o Emprego Local Atual (invertido) variou positivamente em 3,5 e 2,8 pontos na margem, respectivamente.

Notícia



Angolanos são presos após tentarem sacar auxílio com documentos falsos

Quatro angolanos foram presos pela Polícia Federal na manhã deste sábado (8) após tentar sacar, usando documentos falsos, dinheiro oferecido como auxílio emergencial pelo governo federal em uma agência da Caixa Econômica Federal (CEF) no Recreio dos Bandeirantes (zona oeste do Rio)...