John Malkovich estreia 'Space Force'

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir




Aos 66 anos, John Malkovich se surpreendeu ao ver duas pessoas compartilhando uma pizza. Tem sido assim desde que passou a testemunhar o mundo pelas telas das séries e filmes, a que assiste no confinamento.

Por meio de videoconferência, o ator conversou com o Estadão sobre a estreia da série Space Force hoje, 29. A comédia de Greg Daniels e Steve Carell parte do desejo dos EUA de retomar a exploração do espaço em um novo projeto Boots on the Moon, como nos anos da Corrida Espacial. Para o ator, trata-se de um período da história interessante, ao menos para a imaginação.

"Apesar de ter nascido nessa época, o espaço não me parece tão fascinante. Acredito que a Terra seja curiosa o suficiente", diz Malkovich. "Mas é claro que podemos imaginar como será descobrir a vida fora da Terra e com o que ela vai se parecer."

Na produção original da Netflix, Malkovich faz o papel de Dr.
Mallory, um cientista que trabalha na equipe do general Mark R. Naird (Carell) e passa a temporada de oito episódios tentando evitar que a nova Space Force não vá pelos ares.

No primeiro episódio, Dr. Mallory insiste na ideia de cancelar o lançamento de um foguete para o dia seguinte, já que as condições de tempo e clima não estão boas. O general discorda e segue uma linha mais atual de líderes mundiais que preferem desacreditar na ciência. A confusão está posta. "Mas a imprensa toda está aqui, os políticos, e gastamos muito dinheiro nisso. O dia está lindo. Essa é a sua opinião", vai defender o personagem de Carell.

É daí que a série vai compor a comicidade, explorando as habilidades (ou a falta delas) de um general que tem a missão de retomar a glória do passado, em tempos em que Apollo 11 não significa mais o nome de um lanche no food truck do quartel-general.

A parceria com Carell faz parte de uma jornada que se desenhou para o roteirista Greg Daniels, ainda nos tempos de The Office. Na saudosa série, o ator fazia o inconveniente Michael Scott, ao lado de nomes como John Krasinski e Jenna Fischer. "Foram nove temporadas cercadas de grandes talentos da comédia, pessoas com as quais foi fácil trabalhar, de maneira muito colaborativa, e de improviso", ressalta Daniels, em entrevista exclusiva ao Estadão.

Para o também roteirista de Os Simpsons e O Rei do Pedaço, fazer comédia é algo que se constrói em conjunto, vide o trabalho no Teatro Second City. "Há um movimento teatral em Chicago, muito forte no treinamento de improvisação para atores. É quase uma religião, em que compartilhamos como desenvolver confiança em cena e ser criativo quando a hora chega."

Em Space Force, Carell reúne um pouco da inconveniência de Michael Scott de The Office, e Malkovich tempera a cena com uma seriedade debochada, que vai da preocupação com os lagartos que poderão ser cozidos no calor das turbinas do foguete, até a presença de um chimpanzé, em umas cenas mais divertidas da produção. Nela, o general tenta resolver um problema em um dos satélites conversando com um chimpanzé, por meio de linguagem de sinais.

Junto com o primata, um cachorro também ocupa a instalação, relembrando os tempos em que animais e plantas eram enviados dentro de sondas espaciais. Como no passado, o resultado será catastrófico. "Quando Steve me procurou, havia apenas o título da série. Com o tempo, nos reunimos para compor os outros personagens, foi tudo bem natural", recorda Daniels, que também considera a continuidade da série, em uma segunda temporada. "Apesar de não ter nada confirmado, estamos realizando várias reuniões remotas para ver como será o futuro."

Ao longo da produção, fica claro o desejo de debochar desse excesso de poder que torna os poderosos - antes de perigosos - um tanto patéticos. "Acho que os políticos na série são menos conscientes sobre a ciência", defende Daniels. "Desejo que as pessoas usem mais a ciência, para entender o que os cientistas estão dizendo. É muito mais do que o faça isso ou não faça aquilo."

Para Malkovich, o debate enriquece a ciência, mas tem limite, ainda mais em tempos de pandemia. "Estamos descobrindo que a ciência é bastante científica, mesmo que imprecisa ou incompleta. A diferença entre o que vemos e como a ciência explica alguma coisa sempre causará conflitos, mas a pandemia não deveria ser motivo para se fazer uma guerra."

Daniels segue o raciocínio do ator de Quero Ser John Malkovich. "A ciência é uma medida da realidade", atesta. "Mas é triste que muitos políticos no mundo não queiram ver a realidade. Em geral, preferem ouvir uma história inventada para transformar alguém em inimigo."


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícia



Popular

Maternidade recebe reclamações após Giovanna Ewbank divulgar foto do filho

Itamaraty lamenta morte do embaixador Paulo Cesar de Oliveira Campos

Transparência Internacional, decisão de Toffoli sobre Lava Jato ameaça órgãos

Combate ao desmatamento 'começou tarde', diz Mourão

Polícia prende suspeito de matar jovem no litoral de São Paulo

Cidades da Baixada Santista registram movimentação nas praias neste sábado

Médica é afastada do Einstein após 'declaração insólita' sobre covid-19 e nazismo

Após anunciar gravidez, Mariana Rios revela que sofreu aborto espontâneo

Vinho nacional ainda enfrenta desafio de reputação

Bulgária: presidente pede a renúncia de primeiro-ministro e procurador-geral

Estatais de saneamento querem flexibilizar regras para contratar empréstimos

Hamilton brilha na chuva, supera Verstappen e conquista a pole do GP da Estíria

São Paulo ultrapassou a marca de 366 mil casos confirmados do novo coronavírus

SBT anuncia que fará transmissão nacional do segundo jogo da final do Carioca

Casos do novo coronavírus no mundo atingem 12,53 milhões, aponta Johns Hopkins

Energia Solar ultrapassa 6 GW de capacidade instalada no Brasil

Liverpool empata com o Burnley e tropeça em casa pela 1ª vez; Norwich é rebaixado

Aras recomenda a Guedes mais transparência em gastos no combate à pandemia

Advogado envia representação ao MPF contra decisão que tirou Queiroz da prisão

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites que exerçam atividades ilegais