México pode aceitar regra dos EUA para comércio de aço, mas não de alumínio

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O governo do México pode aceitar um pedido dos Estados Unidos por maior conteúdo regional em aço, contanto que exista um período de adaptação de cinco anos. O ministro mexicano das Relações Exteriores, Marcelo Ebrard, disse que um pedido do vizinho por 70% de conteúdo regional em aço poderia ser escrito como um adendo no acordo de livre comércio entre os dois países e o Canadá, conhecido pela sigla em inglês USMCA.

Ebrard disse, contudo, que seu país não aceitará regra similar para o alumínio, diante do fato de que o México não tem produção desse metal. A autoridade repetiu que o México se recusará a permitir que inspetores dos EUA visitem fábricas mexicanas para garantir que o país cumpre suas próprias leis trabalhistas.

Sindicatos pró-empresas têm conseguido autorizações para fechar contratos com salários mais baixos que os de outros sindicatos. Os baixos vencimentos ajudam o México a tirar empregos dos EUA.

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, afirmou hoje que autoridades dos EUA haviam aceitado a oferta do México para permitir que painéis de resolução de disputa revisem o cumprimento das leis trabalhistas. O USMCA foi negociado para substituir o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês), mas os democratas do Congresso americano ainda não o ratificaram, em parte pois desejam medidas adequadas do México para garantir o cumprimento de legislação. Fonte: Associated Press.

Notícia