Bovespa +0,82% 64.354,34 pts    Câmbio:    Dólar com -0,81% R$ 3,212 Peso arg -1,12% R$ 0,202 Euro -0,23% R$ 3,43

Procuradoria pede inconstitucionalidade de MP que alterou fundo penitenciário

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal (MPF), quer que seja considerada inconstitucional a Medida Provisória 755 baixada pelo presidente Michel Temer, que alterou a destinação e uso de verbas do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen). A representação foi enviada para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que deve ser chamado a se manifestar no pedido com o mesmo teor elaborado pelo PSOL que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF).

A reportagem apurou que o próprio Janot já havia procurado o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, para expor a sua discordância quanto às alterações e alertando sobre a possibilidade de judicialização. Em um documento de 19 páginas, três procuradores discorrem sobre os motivos para a inconstitucionalidade, sustentando principalmente que a retirada de verbas do Funpen para uso em outros setores da segurança pública fere o determinou o STF em julgamento de setembro de 2015, quando previu o descontigenciamento do fundo para aplicação na melhoria das cadeias do País.

A reportagem revelou em 25 de novembro que a medida estava sendo elaborada pelo Ministério da Justiça para conseguir verbas para custear as ações do Plano Nacional de Segurança.

A MP 755 foi baixada por Temer em 20 de dezembro, alterando a origem das verbas destinadas ao Funpen. Originalmente, 3% da arrecadação das loterias federais iam para o Funpen; com a mudança a proporção passou para 2,1%. A porcentagem representa mais da metade do que entra no fundo penitenciário anualmente, cuja monta atual supera os R$ 2 bilhões. Além disso, a medida provisória criou a possibilidade de o Funpen usar verbas em "políticas de redução de criminalidade", com possibilidade de uso das verbas até para pagamento de diárias a policiais.

Para os procuradores Deborah Duprat, Marlon Weichert e João Akira, a medida promoveu "substancial alteração" na aplicação dos recursos do Funpen ao também prever a permissão de que 30% do saldo seja revertido para o Fundo Nacional de Segurança Pública. Eles acreditam que as mudanças "desvirtuam e desviam recursos do sistema penitenciário para a área da segurança pública". "Com efeito, essas alterações pretendem usar verbas do Funpen para quaisquer iniciativas que se enquadrem nas extremamente genéricas previsões de políticas de redução de criminalidade'", escreveram.

A procuradoria acredita que as mudanças deram um "cheque em branco" ao Poder Executivo para "desviar os recursos do Funpen para outras finalidades". O órgão pondera que não se pretende afirmar que uma alteração de fontes de custeio de fundos especiais seja inconstitucional, mas ressalta que isso está ocorrendo em um contexto em que o STF determinou o descontingenciamento do Funpen diante da precariedade das estruturas e do atendimento aos presidiários. "A Medida Provisória, nesse particular, é inconstitucional, pois agrava um quadro já reconhecido como incompatível com a Constituição brasileira e Tratados Internacionais de Direitos Humanos firmados pela República brasileira", declararam.

Supremo

Conforme antecipado pelo Broadcast Político, serviço de informação em tempo real da Agência Estado, o PSOL entrou com um aditamento à arguição de descumprimento de preceito fundamental 347, de autoria do próprio partido, segundo o qual a MP descumpre decisão do próprio STF, que em 2015 declarou o "estado de coisas inconstitucional" do sistema carcerário e determinou o descontingenciamento de verbas. Nesta quarta, uma comitiva do partido, depois de reunião com a presidente da corte, ministra Carmen Lúcia, disse haver a expectativa de que haja uma decisão antes do fim do recesso.

Em nota divulgada na segunda-feira, 9, o Ministério da Justiça, em comentário a ação do PSOL, disse que nenhum "valor foi repassado para a área de segurança e não será repassado em 2017, porque não houve superávit do fundo". "Desta forma, o Ministério da Justiça e Cidadania reitera que todo os valores do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) serão utilizados integralmente no sistema penitenciário", informou a pasta. O Estado procurou o ministério na tarde desta quarta, mas não houve apresentação de resposta até a publicação desta reportagem.

Notícia



Acusado de matar menina de 11 anos é baleado ao tentar fugir

Preso como suspeito de ter sequestrado e matado uma menina de 11 anos em Irajá, na zona norte do Rio, Sandro Alves, de 42 anos, tentou fugir da Cidade da Polícia (complexo de delegacias situado na zona norte do Rio) e foi baleado na perna por agentes de segurança...