Em nova derrota, Alckmin tem de baixar todas as tarifas de transporte

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Decisão publicada na Justiça na tarde desta quinta-feira, 11, ampliou os efeitos da liminar que proibiu o reajuste das tarifas de metrô, trens e da integração com ônibus da capital e, agora, a restrição vale para todas as linhas de ônibus intermunicipais do Estado, administradas pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU).

A decisão vale também para os novos "pedágios" criados para a integração entre ônibus e trilhos em alguns terminais da região metropolitana.

Na prática, apenas as cidades do ABC Paulista estavam livres do aumento, enquanto o governo pôde reajustar as tarifas intermunicipais de 31 cidades da Grande São Paulo e de linhas como os trólebus do Corredor ABD, por exemplo.

O governo do Estado informou que irá recorrer da decisão, embora o secretário dos Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, ainda não tenha sido notificado.

A EMTU transporta 1,5 milhões de pessoas por dia em cinco regiões metropolitanas do Estado.

A decisão, da juíza Simone Viegas Moraes Leme, da 15ª Vara da Fazenda Pública do Estado, é uma extensão à liminar concedida no dia 6 que já suspendia o reajuste do metrô, dos trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e de algumas linhas intermunicipais da Grande São Paulo.

O argumento da juíza foi que "os critérios para o reajuste constantes das citadas Resoluções não está detalhado tecnicamente, o que impede a análise de sua pertinência e, ademais, supera,sem explicação,os índices inflacionários".

Notícia



Jovem acorrentada pela mãe por usar crack foge de abrigo e será internada

A jovem de 17 anos que foi acorrentada pela mãe para impedir que usasse crack estava foragida desde sábado, 17, da instituição em que havia sido abrigada pelo Conselho Tutelar de Sorocaba, no interior de São Paulo...