Temer deixa em aberto discussão sobre criação do Ministério da Justiça

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Na reunião com deputados e senadores na qual foi apresentada a proposta de criação do Ministério da Segurança Pública, o presidente Michel Temer evitou se posicionar a favor ou contra a nova pasta, mas deixou em aberto a discussão sobre o tema. A informação foi prestada pelo deputado Alberto Fraga (PMDB-DF), em entrevista, após o encontro.

Segundo o deputado, o presidente pediu que "mais informações técnicas" sobre a possibilidade de criação da pasta sejam apresentadas a ele para que o assunto volte a ser discutido, mas não marcou uma data para uma nova reunião ser realizada. O deputado Fraga reiterou ao presidente as críticas já feitas ao Plano Nacional de Segurança Pública e criticou também o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, alegando que ele "não conhece a fundo os problemas dos estados".

No encontro, Moraes, questionado por Temer, se posicionou contra a criação do Ministério da Segurança Pública, que esvaziaria completamente a pasta que comanda. Ele não é o único contra. Temer, no entanto, tem se mostrado "simpático" à ideia e "aberto a discussão" sobre o tema, mas sabe o quanto ele delicado.

Aos deputados, o presidente preferiu dizer que "não tem posição técnica formada sobre o assunto", embora em 2002, tenha sugerido ao então candidato ao Planalto, José Serra, a criação da pasta. O governo sabe que a criação de uma nova estrutura geraria uma disputa política em torno do cargo, podendo criar uma nova instabilidade política, e implicaria, obrigatoriamente, em aumento de despesas com desmembramento de órgãos, o que é considerado inapropriado em momento de crise econômica e contenção de gastos por parte do governo.

Pela sua proposta, Fraga quer levar para a nova pasta, tirando da Justiça, a Polícia Federal, que está com as investigações da Operação Lava Jato. Temer apenas se comprometeu com os parlamentares a ler todos os documentos que lhe foram entregues justificando a necessidade da nova pasta.

Nem o próprio deputado Fraga, um dos defensores da ideia, acredita que o Ministério da Segurança Pública venha a ser criado. Questionado se a nova pasta poderia nascer ainda no primeiro semestre, respondeu: "não vejo viabilidade nisso". E emendou: "temos de convencer mais o presidente Temer disso".

Críticas. Fraga reconhece que o esvaziamento do Ministério da Justiça é um dos focos de resistência à ideia. O deputado reiterou ao presidente as críticas já feitas ao Plano Nacional de Segurança Pública e disse que a Senasp não tem atuação e que é preciso existir um ministério com "força política". "Não dá pra fazer meia sola", comentou.

Na reunião, os deputados propuseram, ainda, mudanças nos Códigos Penais e em toda a legislação que cuida das atribuições da Secretaria de Segurança Pública para que a pasta ganhe poder e importância e possa promover, efetivamente, a integração entre as polícias militares e o governo federal. "É preciso haver padronização nos procedimentos, treinamento e de tudo nas pastas de segurança dos estados e União precisa ter responsabilidade com a segurança pública", emendou.

Fraga lembrou que mesmo os secretários de segurança dos estados enfrentam problemas porque não têm comando real sobre as Polícias Militar e Civil. A autonomia, segundo ele, precisa existir ainda para os donos de presídios a fim de que possam transferir presos sem necessitarem de aval da Justiça ou do Ministério Público.

Em relação às criticas de setores dos Direitos Humanos à sua atuação e de outros parlamentares acusados de integrarem a "bancada da bala", Fraga reagiu: "é preferível ser da bancada da bala do que da mala". E emendou: "esta é uma bancada que defende a vida".

Mais cedo, o presidente Michel Temer ao abrir a reunião da infraestrutura no Planalto, disse que esta questão de segurança "preocupa a nação como um todo" porque ultrapassa a questão da área da segurança pública. Depois de considerar um "acidente pavoroso" o massacre em um complexo penitenciário de Manaus, Temer afirmou em sua fala que o Primeiro Comando da Capital (PCC) e a Família do Norte (FDN) promoveram uma "pavorosa matança" em presídios, baseada em regras e "códigos próprios".

Na avaliação do presidente, o PCC e a Família do Norte constituem uma "regra jurídica fora do Estado". "O meu desejo era de que daqui a alguns anos, não haja necessidade de anunciar a construção de presídios, mas só escolas, postos de saúde, etc., mas o Brasil ainda tem um longo caminho. No momento, a realidade que nós vivemos exige naturalmente a construção de presídios para também retirar as condições, convenhamos, desumanas, em que os presos se acham", disse o presidente, ao destacar a superlotação de presídios brasileiros.

Notícia



Homens são agredidos por suspeita de envolvimento em morte de meninas

Dois homens foram agredidos na Favela da Lapena, zona leste de São Paulo, na segunda-feira, 16, após um grupo de pessoas suspeitar que eles estejam envolvidos na morte de Adrielly Mel Severo e Beatriz Moreira dos Santos, ambas de 3 anos...