Bovespa -0,32% 64.149,57 pts    Câmbio:    Dólar com +0,2% R$ 3,219 Peso arg +0,2% R$ 0,203 Euro +0,06% R$ 3,44

Gestão Doria quer distribuir remédio a paciente do SUS em farmácia particular

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O secretário municipal de Saúde, Wilson Pollara, pretende alterar a forma como a Prefeitura de São Paulo distribui medicamentos a pacientes de sua rede. A ideia é usar qualquer farmácia da cidade para este objetivo. Hoje, remédios e outros produtos fornecidos pelo Município, como fraldas geriátricas, são retirados pessoalmente nas unidades de saúde e não são raras as reclamações relacionadas à ausência de parte dos produtos.

O formato do programa ainda não está fechado. Segundo Pollara, a pasta vai estudar se passará a fornecer uma espécie de 'vale medicamento' aos usuários ou então se precisará criar um site específico a ser acessado pela rede particular para checar e validar a receita apresentada pelo paciente em busca de medicação. O modelo pretendido parece semelhante ao programa Farmácia Popular, do governo federal, criado em 2004.

"Não queremos mais entregar remédio na UBS (Unidade Básica de Saúde). Essa logística não dá certo, é muito difícil. Não vamos competir com a coisa mais permeada que tem, que é farmácia", disse o secretário ao Estado. "Vamos começar a trabalhar nisso. Já mandei que o departamento de informática pesquise qual seria a melhor maneira para implementar esse modelo, qual o melhor mecanismo. O que eu quero é que o cara vá na farmácia ao lado da casa dele e retire o remédio."

A alteração, no entanto, deve ir contra a determinação do prefeito João Doria (PSDB) de cortar gastos. "Esse modelo vai ser mais caro, acredito, mas muito mais eficiente. Hoje, o que existe não funciona. A reclamação é total e todo dia. Remédio é na farmácia, nosso negócio é oferecer tratamento, saúde", completou Pollara. Ampliar a quantidade de medicamentos entregues via Correio é outra opção em estudo.

Ano passado, com a crise econômica, a demanda por esse serviço na rede municipal aumentou ao menos 30%. Entre janeiro e agosto, 5,4 milhões de paulistanos retiraram remédios nas UBSs e demais equipamentos municipais. No mesmo período de 2015, haviam sido 4,1 milhões. Consequentemente, a média mensal de pessoas que retiram remédios e insumos passou de 520 mil para 676 mil.

A alta demanda - 330 mil pessoas deixaram de ter plano de saúde na cidade entre 2014 e 2016 -, agravou o quadro de falta de medicamentos básicos em algumas unidades, obrigou a secretaria a rever o planejamento de compras de cada uma das mais de 500 farmácias municipais e gerou até a abertura de uma inquérito do Ministério Público Estadual para investigar o caso.

Corujão

A gestão Doria publicou na edição desta sexta-feira, dia 6, o chamamento público para credenciamento de estabelecimentos privados interessados em participar, de forma complementar, do programa Corujão da Saúde, destinado a eliminar a fila por exames na cidade. De acordo com a publicação, os selecionados Vão receber os valores pagos pela tabela SUS pelos procedimentos realizados.

O programa começa dia 10 em unidades já conveniadas com a Prefeitura, como os hospitais Oswaldo Cruz, HCor e Sírio Libanês, todos na região da Avenida Paulista. O prefeito Doria é esperado nas três unidades para acompanhar parte dos procedimentos. De acordo com a equipe de Pollara, há 485 mil pedidos de exames de imagem, como ultrassons e tomografias, na fila, sem agendamento. Desse total, 296 mil participarão da primeira etapa do Corujão.

O foco é atender pacientes que estão, no máximo, seis meses aguardando por um chamado da Prefeitura. Os demais usuários serão convocados a passar por nova consulta, para reavaliação.

Notícia



Alemão foge de blitz, invade ponto de ônibus e mata um no Rio

Um alemão de 29 anos com sinais de embriaguez dirigia um veículo pelo Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio, quando se deparou com uma blitz da Polícia Militar...