Bolsonaro veta PL que exigia psicologia e assistência social em escolas públicas

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente projeto de lei que tornava obrigatória a prestação de serviços de psicologia e de serviço social nas redes públicas de educação básica. O veto está publicado no Diário Oficial da União (DOU) e se dá, segundo explica o governo, porque cria despesas ao Poder Executivo sem indicar uma fonte de receita.

"A propositura legislativa, ao estabelecer a obrigatoriedade de que as redes públicas de educação básica disponham de serviços de psicologia e de serviço social, por meio de equipes multiprofissionais, cria despesas obrigatórias ao Poder Executivo, sem que se tenha indicado a respectiva fonte de custeio, ausentes ainda os demonstrativos dos respectivos impactos orçamentários e financeiros, violando assim as regras do art. 113 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, bem como dos arts. 16 e 17 da Lei de Responsabilidade Fiscal e ainda do art. 114 da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2019 (Lei nº 13.707, de 2018)", argumenta a Presidência da República, que ouviu os ministérios da Educação e da Saúde para decidir pelo veto à matéria.

Notícia



Caso Raíssa: polícia diz ter certeza de participação de adolescente no crime

Em entrevista coletiva no Departamento Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o delegado Luiz Eduardo Aguiar Marturano, da 5ª Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes Contra a Crianças e o Adolescente, afirmou não existir mais nenhuma dúvida da participação do menino de 12 anos no assassinato de Raíssa Eloá, 9 anos, encontrada morta e amarrada em uma árvore no Parque Anhanguera...