'Sim, nós podemos e fizemos', diz Obama ao encerrar discurso de despedida

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Faltando dez dias para deixar a Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, encerrou seu discurso de despedida nesta noite em Chicago com a clássica frase que marcou sua primeira campanha eleitoral: "Sim, nós podemos". O dirigente ainda complementou com a frase "sim, nós fizemos" para falar dos avanços que ocorreram na maior economia dos mundo nos últimos 8 anos.

"Em dez dias, o mundo testemunhará uma marca distintiva de nossa democracia: a transferência pacífica do poder de um presidente livremente eleito para o próximo", afirmou Obama, referindo-se a Donald Trump, que toma posse no próximo dia 20.

Ao fazer um balanço de seu governo, Obama disse que conseguiu reverter a recessão gerada pela crise mundial de 2008, recuperar a indústria automobilística dos EUA, abrir um novo capítulo no relacionamento de Washington com Cuba e encerrar o programa nuclear do Irã sem disparar um tiro.

Ao mesmo tempo, Obama reconheceu que o progresso nos EUA tem sido desigual. "O trabalho da democracia sempre foi duro, contencioso e às vezes sangrento. Para cada dois passos para frente, muitas vezes parece que damos um passo para trás", disse. Obama completou dizendo que os EUA continuam sendo a nação mais rica, poderosa e respeitada do mundo.

O presidente ressaltou na parte final do discurso que deixa a Casa Branca ainda mais otimista com as perspectivas para os EUA do que quando ganhou nas urnas. O democrata ressaltou ainda o papel dos imigrantes na história do país, mais uma alfinetada em Donald Trump, que planeja deportar milhões de imigrantes ilegais.

"A América não foi enfraquecida pela presença desses recém-chegados. Eles abraçaram o credo desta nação, e ela foi fortalecida", disse Obama ao comentar a entrada de imigrantes no país. (Altamiro Silva Junior, correspondente - altamiro.junior@estadao.com)

Notícia



Popularidade de Trump se mantém estável mesmo após turbulências políticas

A popularidade do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se manteve estável mesmo após um dos meses mais turbulentos de seu governo, de acordo com uma nova pesquisa conduzida pelo Wall Street Journal e pela NBC News...