Em vídeo, Maia diz que Orçamento sancionado é realista

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Durante o exercício da presidência da República, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, gravou nesta terça-feira, 10, um vídeo para a página oficial do Planalto para destacar a sua decisão de sancionar o Orçamento de 2017. De acordo com Maia, a sanção sem vetos foi feita a pedido do presidente Michel Temer, que viajou para Lisboa, onde foi participar do funeral do ex-presidente português Mário Soares.

Na mensagem, Maia destacou que o texto aprovado pelos congressistas já leva em conta a PEC que limita o teto dos gastos públicos e prevê "pela primeira vez" um "orçamento realista". "A PEC do Teto gera essa necessidade. Não existe mais a possibilidade de se criar o orçamento, onde se crie receitas que depois não são confirmadas na execução do Orçamento durante o ano. Pela primeira vez, e daqui pra frente será assim, nós temos e teremos um Orçamento realista", disse.

Maia disse que a aprovação do texto sem vetos é "muito importante na relação e no diálogo do Poder Executivo e do Poder Legislativo".

O presidente da Câmara destacou ainda que durante a discussão do projeto no Congresso ficou acertado que não haveria perda de recursos para áreas como saúde e educação. "É um ganho enorme", disse, destacando a "certeza de que o Congresso e poder Executivo estarão aplicando nesse ano recursos naquilo que é fundamental e vital para os brasileiros, que são essas duas áreas".

Orçamento

A sanção será publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira, 11. A lei orçamentária prevê como meta para 2017 um déficit primário de R$ 139 bilhões. Para a área da saúde, foram destinados R$ 115,3 bilhões, em atendimento do mínimo constitucional de 2017 previsto pela PEC do Teto de Gastos, que é de 13,7% da Receita Corrente Líquida (RCL). O mínimo foi alcançado com o atendimento de emendas destinadas à saúde, sendo R$ 4,8 bilhões individuais, R$ 2,2 bilhões coletivas e R$ 2,7 bilhões alocados pelo relator.

Para a educação, o valor destinado será acima do piso constitucional - de 18% - e a área deve receber R$ 85,6 bilhões em 2017, dos quais R$ 52,2 bilhões são recursos vinculados.

O valor do salário mínimo passou de R$ 880 para R$ 937 a partir de 1º de janeiro, conforme anunciado pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, no fim do ano passado. O governo autorizou uma elevação de 6,74%, estimativa do Ministério da Fazenda para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do IBGE. O reajuste deve injetar R$ 38,6 bilhões na economia do ano que vem, o equivalente a 0,62% do PIB, de acordo com o Ministério do Planejamento. O reajuste ficou R$ 2,29 menor do que o projetado pelo governo. O motivo é que, ao reajustar o salário mínimo no fim do ano passado, para R$ 880,00, o governo usou uma projeção de 11,57% para a inflação.

A LOA também estima em 1,6% o crescimento do PIB para 2017 e em 4,8% a inflação.

Aprovação

O Congresso aprovou no dia 15 de dezembro a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e o Orçamento de 2017, já com seus principais valores limitados pela PEC do Teto. A votação foi rápida após um acordo entre governo e a oposição. Enquanto a LDO não fosse aprovada não haveria recesso parlamentar.

O acordo para aprovar todos os itens da pauta do fim de ano, considerada muito extensa, foi costurado pelo líder do governo no Congresso, senador Romero Jucá (PMDB-RR), com o líder do PT na Câmara, deputado Afonso Florence (BA), que desistiu do kit obstrução contra as propostas.

A oposição queria que fossem derrubados três dos nove vetos presidenciais, pedido que foi atendido pelo governo, que aceitou derrubá-los. Em contrapartida, aceitou, junto com o PSDB, retirar os três destaques que haviam sido apresentados ao texto da LDO em agosto e que atrasariam a deliberação.

Notícia



Delegados Federais demonstram preocupação com projeto de abuso de autoridade

Reunidos no VII Congresso Nacional dos Delegados de Polícia Federal, promovido pela Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), os delegados federais manifestaram preocupação com a possibilidade de aprovação ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 280/16...