Premiê do Canadá nomeia nova ministra de Relações Exteriores

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, nomeou Chrystia Freeland como nova ministra das Relações Exteriores do país. O movimento vem como um posicionamento do Canadá pouco antes da posse do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump. A maior consequência do comando de Trump na Casa Branca para o Canadá será sobre o comércio e potenciais mudanças para o Nafta, o acordo de livre comércio entre os EUA, o Canadá e o México.

"É muito sensato colocar alguém que esteve na vanguarda da agenda comercial durante o último ano neste posto", disse Kim Nossal, professor de Ciências Políticas da Queen's University, em Kingston, Ontário. As opiniões de Freeland sobre a Rússia contrastam com as do governo Trump. Freeland, que é jornalista, foi crítica do presidente Vladimir Putin e foi impedida de visitar o país em 2014. "Aparentemente, ela será dura com a Rússia", disse Fen Osler Hampson, diretor do Centro de Inovação em Governança Internacional.

Além das Relações Exteriores, o primeiro-ministro canadense nomeou John McCallum, que era ministro de Imigração do país, para assumir a embaixada do Canadá na China. "A relação Canadá-China está bem servida com uma presença tão forte do nosso governo no país", disse Trudeau, em um comunicado. Antes de entrar na política, em 2000, McCallum foi economista-chefe do Royal Bank of Canadá e, antes disso, decano na Universidade McGill de Montreal. Durante seu mandato, Trudeau intensificou os laços com Pequim e pretende continuar com esse fortalecimento nas relações com a nomeação de alguém próximo a ele para a embaixada canadense na China.

Notícia



Coreia do Norte: Insulto de Trump torna ataque contra EUA inevitável

O ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, disse que o insulto do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que chamou o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, de "homem do foguete" torna "a visita do nosso foguete a todo o território dos Estados Unidos ainda mais inevitável"...