Após quase 4h de reunião, secretário do Rio deixa Fazenda sem falar com imprensa

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir
Após quase 4h de reunião, secretário do Rio deixa Fazenda sem falar com imprensa
Foto: Divulgação


Após quase quatro horas de reunião na sede do Ministério da Fazenda, em Brasília, o secretário de Fazenda do Rio de Janeiro, Gustavo Barbosa, deixou o local pela garagem, sem falar com a imprensa. Barbosa esteve com a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, para delinear os detalhes do acordo que o governo federal pretende firmar com o Estado na tentativa de resgatar as finanças fluminenses.

A reunião começou por volta de 11h e se estendeu até pouco antes das 15h, sem pausa para almoço. Ontem, o secretário de Fazenda do Rio já havia participado de uma maratona de encontros, entre 10h e 16h, para trabalhar no acordo. A situação financeira do Rio é uma das mais delicadas: primeiro a decretar calamidade, o Estado prevê um rombo de R$ 19,3 bilhões em suas contas só neste ano.

O plano do governo federal é buscar a homologação do Supremo Tribunal Federal (STF) para um acordo de recuperação fiscal com o Estado do Rio, nos mesmos moldes do projeto que foi desfigurado pela Câmara dos Deputados e, consequentemente, vetado pelo presidente Michel Temer. Com o acordo de "emergência", o Tesouro Nacional poderá legalmente socorrer financeiramente o Rio honrando por um período de 36 meses as dívidas não pagas pelo Estado. Não haverá, no entanto, o repasse de dinheiro novo do Orçamento da União para o governo fluminense. Nesses três anos, o Rio terá um alívio de R$ 26 bilhões.

A saída jurídica para a construção de um acordo começou a ser costurada no final de semana pelo presidente Michel Temer com o presidente do STF, Cármen Lúcia, e avançou ontem durante a reunião do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, com o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão. O ministro e seus principais secretários foram até o Rio para acertar os termos do acordo, que mantém basicamente as contrapartidas de medidas de ajuste fiscal, que foram rejeitadas pelos deputados no final do ano. Entre elas, há a proibição de reajustes salariais dos servidores, a fixação de um teto de despesas atrelado à inflação e privatização de empresas.

A expectativa é de que, fechado o acordo, haja uma conversa para apresentar os termos amanhã ao presidente Temer e depois à ministra Cármen Lúcia.

Notícia



'Não dá para votar num cidadão sem saber se ele é raposa ou não', diz Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou neste sábado, 19, em Feira de Santana, na Bahia, durante evento de sua caravana pelo Nordeste, que "não é possível" o eleitor reclamar dos políticos e "na hora do voto colocar uma raposa lá dentro do galinheiro"...