Taxas futuras de juros encerram nas mínimas na véspera de decisão sobre Selic

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Os juros futuros encerraram a sessão regular em queda, nas mínimas do dia. Segundo profissionais de renda fixa, o recuo se deve a uma recalibragem das carteiras na véspera do anúncio de uma provável decisão de corte da Selic. Os integrantes do Comitê de Política Monetária (Copom) iniciaram sua reunião nesta terça-feira, 10, e, na quarta-feira, 11, divulgarão a nova taxa básica de juros.

Nos últimos dias, a curva de juros futuros passou a mostrar um aumento das apostas de uma redução maior, de 0,75 ponto porcentual, ante o realizado pelo Copom na última reunião (0,25 pp). A maior parte do mercado e também dezenas de economistas ouvidos pelo Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado), entretanto, ainda entendem que a autoridade monetária não triplicará o corte. De um total de 71 instituições consultadas em levantamento atualizado pelo Projeções Broadcast, 65 esperam corte de 0,50 ponto porcentual da Selic, cinco aguardam redução de 0,75 pp e uma, diminuição de 0,25 pp.

O sócio e macroeconomista da Eleven Financial Rafael Bevilacqua menciona alguns fatores para o BC não acelerar o ritmo de corte nesta reunião de janeiro. Um deles é o perfil que ele considera "mais conservador" dos integrantes do comitê. Outro é a variação de preços medida por importantes e recentes indicadores - como IGPs e a pesquisa de varejo - com dados mais fortes que esperado.

Ainda assim, o tempo hábil para as mesas de renda fazerem alguma aposta em um corte maior que 0,50 pp era nesta terça, segundo um profissional. Assim, o DI para janeiro de 2018 fechou na mínima aos 11,330%, ante 11,365% no ajuste de segunda-feira.

O DI para janeiro de 2019 também encerrou a sessão regular na mínima, aos 10,82%, ante 10,90% no ajuste de segunda. E o DI para janeiro de 2021 fechou em queda aos 11,10%, também mínima, ante 11,19% no ajuste de segunda.

Notícia



IPC-Fipe avança 0,16% na 2ª quadrissemana de outubro

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação na cidade de São Paulo, teve alta de 0,16% na segunda quadrissemana de outubro, maior do que o avanço de 0,10% observado na primeira quadrissemana, segundo dados publicados hoje pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe)...